webinário-vigas-mestras.jpg

IAC e Academia de Curadoria realizam Webinário Vigas-mestras sobre práticas curatoriais em arquivos.

Nos dias 20, 21 e 22 de outubro, o evento apresentou as pesquisas realizadas pela Academia de Curadoria no acervo do IAC e trouxe convidados, como a artista Mabe Bethônico, que debateram sobre as potencialidades da utilização de arquivos no campo das artes.

 

Para que servem arquivos, quando se pensa em arte? Ou quando se pensa em uma exposição? Realizado no formato virtual, o Webinário "Vigas-mestras: práticas curatoriais em arquivos" refletiu sobre a importância dos acervos a partir de experiências com esses documentos para os estudos e práticas do campo das artes visuais. Tanto quanto fonte primária de pesquisa, como material para criação artística, servem de registro da memória e material para a elaboração de novas narrativas. Para isso, pesquisadores e artistas participaram de 3 dias de debates.

 

No primeiro dia, 20/10, a doutora em Ciências da Informação e diretora técnica do Instituto de Arte Contemporânea, Marilucia Bottallo, abre o evento e conversou com os curadores da Academia, responsáveis pela exposição virtual “Vigas-mestras: outras narrativas concretas”, a partir dos fundos dos artistas Lothar Charoux, Sérvulo Esmeraldo, Willys de Castro, Luiz Sacilotto e Hermelindo Fiaminghi, depositados no IAC. 

 

No dia 21/10, o artista e pesquisador Orlando Maneschy – curador da Coleção Amazoniana de Arte da UFPA –, o artista visual Wisrah Villefort – ganhador da Swiss Arts Council Pro Helvetia Residency Grant –, e a pesquisadora Carla Cruz – diretora de Relações Institucionais do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) discutiram conceitualmente suas experiências na mesa “Arquivos contemporâneos em debate”.

 

Já no dia 22/10, a renomada artista visual, professora e pesquisadora Mabe Bethônico, que atualmente vive e trabalha entre o Brasil e a Suíça, apresentou uma fala inédita sobre seu trabalho a partir de arquivos de instituições como museus e escolas. Trabalhando com camadas de material histórico e de ficção, ela questiona a organização do conhecimento ao narrar processos de pesquisa.

 

O evento foi gratuito e transmitido pelo canal do Youtube da Academia de Curadoria.